Mateus 19:6 – O que Deus ajuntou, não separe o homem

Published On: 14 de setembro de 2023Categories: Estudo Bíblico

A família é uma instituição divina que desempenha um papel central na cosmovisão cristã. O versículo-chave para nosso estudo, encontrado em Mateus 19:6, nos diz: “O que Deus ajuntou, não separe o homem”. Este versículo é uma âncora para a compreensão da importância da família segundo os princípios bíblicos. Vamos explorar essa verdade de maneira profunda e abrangente em oito tópicos.

O Propósito da Família na Criação Divina: Uma Abordagem Profunda e Baseada na Bíblia

Ao adentrar neste estudo bíblico sobre família, é importante começar pelo seu propósito na criação divina, uma temática que reverbera ao longo das Escrituras Sagradas. O versículo-chave de nosso estudo, Mateus 19:6, que diz: “O que Deus ajuntou, não separe o homem.” Entretanto, para compreender plenamente essa afirmação, devemos voltar ao princípio, ao livro de Gênesis, onde a fundação da família foi lançada.

No primeiro capítulo da Bíblia, somos introduzidos à majestosa obra da criação. Deus, o Criador soberano, pronuncia sua vontade ao criar o homem e a mulher à sua própria imagem e semelhança. Gênesis 1:26-28 ” Então disse Deus: “Façamos o homem à nossa imagem, con­for­me a nossa semelhança. Domine ele sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os grandes animais de toda a terra e sobre todos os pequenos animais ­que se movem rente ao chão”. Criou Deus o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. Deus os abençoou e lhes disse: “Sejam férteis e multipliquem-se! Encham e subjuguem a terra! Dominem sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se movem pela terra”. Este ato sublime foi um prenúncio da importância da família como reflexo do próprio Deus, que é uma trindade de Pai, Filho e Espírito Santo. Assim, o propósito da família na criação divina começa a se desvelar.

No entanto, é em Gênesis 2:24 que encontramos a declaração central sobre o propósito da família na Bíblia: “Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.” Esta união divinamente ordenada revela uma harmonia íntima entre homem e mulher, uma comunhão que reflete a própria comunhão dentro da Trindade divina.

A frase “deixará o homem pai e mãe” implica em uma separação física, mas também carrega consigo um significado mais profundo. É um chamado à priorização do relacionamento conjugal, estabelecendo-o como a relação mais significativa depois da relação do homem com Deus. Essa priorização estabelece alicerces sólidos para a família, pois a base sólida do casamento contribui para uma base sólida para a criação dos filhos.

A segunda parte do versículo – “e se unirá à sua mulher, e eles se tornarão uma só carne” – é uma alusão à intimidade física, mas vai além disso. Ela denota a união espiritual, emocional e mental entre o homem e a mulher. Aqui, percebemos que o objetivo da família na criação divina é muito mais do que a reprodução; é uma unidade que abrange todos os aspectos da vida conjugal.

Essa unidade reflete a imagem de Deus, que é uma comunhão perfeita em sua própria natureza triúna. O casamento, portanto, espelha a Trindade divina e exibe a importância da comunhão e da unidade na vida familiar. É dentro dessa unidade que a família se torna um espaço onde os valores, princípios e amor de Deus são transmitidos de geração em geração.

Para reforçar ainda mais a centralidade da família na criação divina, devemos considerar a própria ordem da criação. Antes de criar a igreja, Deus criou a família. O casamento foi a primeira instituição divina estabelecida, e a família foi projetada para ser o contexto ideal para o florescimento espiritual, emocional e social dos seres humanos.

Portanto, o propósito da família na criação divina é ser um reflexo do amor, da unidade e da comunhão encontrados na Trindade divina. É o local onde valores morais e espirituais são cultivados, onde os filhos aprendem sobre Deus e onde o amor e o compromisso mútuo são demonstrados. À medida que mergulhamos nas profundezas desse propósito, somos lembrados de que a família é um dom sagrado de Deus, e é nossa responsabilidade honrá-lo e viver de acordo com os princípios que Ele estabeleceu desde o início.

O Casamento como Aliança: Uma Perspectiva Bíblica Profunda

O casamento, conforme apresentado na Bíblia, é muito mais do que uma mera união legal ou social; é uma aliança divina estabelecida por Deus. Deus criou o homem e a mulher e, ao unir o primeiro casal Adão e Eva, instituiu o casamento como uma união sagrada. Essa aliança foi selada na presença de Deus, tornando-o o terceiro elemento na relação.

O próprio ato de selar uma aliança implica compromisso, fidelidade e responsabilidade. O casamento, portanto, não é apenas um contrato social, mas uma aliança na qual os cônjuges se comprometem diante de Deus a amar, honrar, cuidar e respeitar um ao outro. Essa aliança reflete a relação entre Cristo e sua igreja, como afirmado em Efésios 5:31-32.

Nesse contexto, o casamento não é algo que pode ser desfeito com leviandade. Quando Jesus responde à pergunta dos fariseus sobre o divórcio em Mateus 19, ele enfatiza que o divórcio não era o plano original de Deus, mas foi permitido devido à dureza do coração humano. No entanto, ele também ressalta a importância da aliança e da reconciliação sempre que possível (Mateus 19:8-9).

A metáfora da aliança é ainda mais profunda quando consideramos a aliança entre Deus e seu povo ao longo da Bíblia. Deus sempre se revelou como o Deus que cumpre suas promessas e permanece fiel à sua aliança, mesmo quando o homem é infiel. Essa fidelidade divina serve como modelo para o casamento, onde os cônjuges são chamados a serem fiéis um ao outro, independentemente das circunstâncias.

Além disso, a aliança matrimonial vai além do aspecto legal. É uma união espiritual e emocional na qual os cônjuges compartilham suas vidas, sonhos, alegrias e tristezas. É um compromisso de apoiar um ao outro em todas as estações da vida, um lugar onde a graça e o perdão são praticados, refletindo assim a graça divina estendida a nós.

O casamento como aliança, conforme revelado na Bíblia, é uma união sagrada, selada na presença de Deus. É um compromisso inquebrável, uma relação de amor e fidelidade que espelha a relação entre Cristo e sua igreja. À medida que compreendemos essa verdade, somos desafiados a honrar a aliança matrimonial, a buscar a reconciliação em tempos difíceis e a refletir a fidelidade divina em nosso relacionamento conjugal.

O Pacto de Amor na Família: Um Compromisso à Luz da Bíblia

O conceito de pacto de amor na família, como fundamentado nas Escrituras Sagradas, transcende as convenções sociais e legais. É uma promessa mútua, um compromisso divinamente ordenado que estabelece alicerces sólidos para a vida familiar. Quando Jesus proclamou em Mateus 19:6, “O que Deus ajuntou, não separe o homem”, ele estava reforçando a importância desse pacto de amor na visão cristã da família.

Para aprofundar nosso entendimento sobre o pacto de amor na família, voltamo-nos para as palavras de Jesus e os princípios bíblicos subjacentes. No contexto desse versículo, os fariseus perguntam a Jesus sobre o divórcio, e ele os leva de volta à criação, ao livro de Gênesis, para fundamentar sua resposta. Isso nos ensina que o casamento e o pacto de amor foram estabelecidos desde o início da criação como parte do plano divino.

Além disso, o pacto de amor na família não é apenas um compromisso entre marido e esposa, mas também um compromisso com Deus. A presença de Deus como testemunha na cerimônia de casamento torna-o sagrado e vincula o casal a uma aliança divina. É por isso que o divórcio é visto na Bíblia como uma quebra dessa aliança e algo que Deus detesta (Malaquias 2:16).

No entanto, a Bíblia não ignora as realidades do pecado e das imperfeições humanas. Jesus menciona a permissão do divórcio em casos de imoralidade sexual (Mateus 19:9), mas mesmo nessas situações, o divórcio não é encorajado, e a reconciliação deve ser sempre buscada.

A Responsabilidade dos Pais: Guiando e Ensinando à Luz da Bíblia

No contexto de um estudo sobre a família à luz das Escrituras, é imperativo abordar a responsabilidade dos pais. A Bíblia é abundante em orientações sobre o papel crucial dos pais na criação e educação de seus filhos. Ao considerarmos Mateus 19:6, devemos lembrar que a família é a arena onde os princípios divinos são transmitidos de geração em geração.

Para compreendermos a responsabilidade dos pais de acordo com a Bíblia, recorremos às Escrituras como nosso guia supremo. O livro de Provérbios, por exemplo, é uma rica fonte de sabedoria sobre a instrução dos filhos. Provérbios 22:6 declara: “Instrui o menino no caminho em que deve andar, e até quando envelhecer não se desviará dele.” Esta passagem enfatiza a importância de direcionar os filhos no caminho da retidão desde cedo.

Além disso, o apóstolo Paulo admoesta os pais em Efésios 6:4, dizendo: “E vós, pais, não provoqueis à ira a vossos filhos, mas criai-os na doutrina e admoestação do Senhor.” Aqui, vemos uma ênfase na necessidade de educar os filhos dentro de um contexto espiritual, transmitindo-lhes os ensinamentos e valores de Deus.

Outro princípio importante é encontrado em Deuteronômio 6:6-7, onde Deus instrui os pais: “E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; E as ensinarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te.” Esta passagem destaca que a educação dos filhos deve ser constante e integrada à vida cotidiana, envolvendo um compromisso contínuo de ensinar os mandamentos e a palavra de Deus.

O exemplo dos pais na vida de seus filhos é igualmente crucial. Os filhos aprendem não apenas com o que os pais dizem, mas com o que fazem. Jesus enfatiza a importância do exemplo dos pais ao dizer: “Sede vós, pois, perfeitos, como é perfeito o vosso Pai celestial” (Mateus 5:48). Os pais são chamados a serem modelos de virtude, amor, perdão e serviço.

No entanto, a responsabilidade dos pais não se limita apenas à educação espiritual. Eles também têm o papel de prover e proteger suas famílias. O apóstolo Paulo escreve em 1 Timóteo 5:8: “Mas, se alguém não tem cuidado dos seus e principalmente dos da sua família, negou a fé e é pior do que o infiel.” Isso destaca a importância da provisão material e emocional para a família.

A responsabilidade dos pais, à luz da Bíblia, é uma tarefa sagrada e abrangente. Envolve a instrução espiritual, a disciplina amorosa, o exemplo virtuoso e a provisão para a família. Os pais são chamados a serem líderes espirituais em seus lares, transmitindo os princípios divinos para as próximas gerações. Quando os pais cumprem essa responsabilidade com diligência e amor, estão contribuindo para o fortalecimento da família e para a honra do plano de Deus.

O Papel do Marido e da Esposa: Uma Relação Baseada na Bíblia

Dentro do contexto de nosso estudo bíblico sobre a família com base nas Escrituras, é fundamental explorar o papel do marido e da esposa. A Bíblia fornece diretrizes claras sobre como essa relação deve ser moldada e sustentada. É vital compreender como a aliança matrimonial é construída a partir dos papéis complementares do marido e da esposa.

Iniciando com as palavras de Paulo em Efésios 5:22-33, encontramos um dos textos mais abrangentes sobre o papel do marido e da esposa na Bíblia. Paulo começa instruindo as esposas a se submeterem aos seus maridos como à liderança amorosa de Cristo. Essa submissão, entretanto, não é uma submissão servil, mas uma resposta ao amor e cuidado do marido.

O marido, por sua vez, é chamado a amar sua esposa da mesma maneira que Cristo amou a igreja, dando a si mesmo por ela. Isso significa que o papel do marido é ser o líder amoroso, que protege e provê, que busca o bem-estar espiritual e emocional de sua esposa. A relação entre o marido e a esposa é comparada à relação entre Cristo e sua igreja, enfatizando o amor sacrificial.

Outra passagem relevante é Colossenses 3:18-19, onde Paulo escreve: “Vós, mulheres, estai sujeitas a vossos próprios maridos, como convém no Senhor. Vós, maridos, amai a vossas mulheres, e não vos irriteis contra elas.” Isso destaca a importância da submissão voluntária das esposas, não como uma imposição, mas como um ato de obediência a Deus. Da mesma forma, os maridos são instruídos a amar suas esposas e a não serem amargos ou insensíveis em sua liderança.

A Bíblia também enfatiza que marido e esposa são igualmente herdeiros da graça de Deus (1 Pedro 3:7). Isso implica que ambos têm igual dignidade e valor perante Deus, embora tenham papéis complementares no casamento. A igualdade na dignidade não anula a distinção nos papéis, mas reforça a ideia de que ambos são parceiros igualmente importantes na aliança matrimonial.

Eles são chamados a se apoiar mutuamente, a orar juntos e a crescer espiritualmente juntos. O papel do marido e da esposa na Bíblia é um relacionamento baseado no amor, na submissão mútua e na liderança amorosa. É uma parceria na qual ambos têm igual dignidade e importância, mas desempenham papéis complementares. Quando o marido e a esposa seguem essas orientações bíblicas, estão construindo uma base sólida para o casamento, refletindo o amor e a aliança de Cristo com sua igreja.

Amar e Perdoar na Família: Princípios Fundamentais das Escrituras

Dentro do contexto do estudo sobre a família com base nas Escrituras, é essencial abordar os temas do amor e do perdão. Esses princípios são pedras angulares das relações familiares e desempenham um papel vital na compreensão da mensagem de Mateus 19.

Começando com o amor, a Bíblia é clara em enfatizar sua importância. O amor é visto como a essência do caráter de Deus, e é ele que deve guiar as relações familiares. Jesus nos instrui em Mateus 22:37-39 a amar o Senhor nosso Deus de todo o coração e amar o próximo como a nós mesmos. Dentro da família, essa instrução se aplica de maneira especial.

O apóstolo Paulo também aborda o amor na família em 1 Coríntios 13, frequentemente chamado de “O Capítulo do Amor”. Ele descreve o amor como paciente, benigno, não invejoso, não orgulhoso, não rude, não egoísta, não irritável, não ressentido, mas sim alegre na verdade. Essas características devem ser visíveis nas relações familiares, pois o amor é o vínculo perfeito.

Além disso, a Bíblia instrui os pais a amarem seus filhos e a criarem um ambiente de amor em casa. Efésios 6:4 exorta os pais a criarem seus filhos “na disciplina e na admoestação do Senhor”, ou seja, no contexto do amor e do ensino de princípios e valores cristãos. O amor dos pais é fundamental para o desenvolvimento saudável dos filhos.

No que diz respeito ao perdão, a Bíblia também oferece orientações claras. Jesus nos ensina a importância do perdão em Mateus 6:14-15, onde afirma que, se não perdoarmos aos outros, nosso Pai celestial também não nos perdoará. O perdão é essencial para manter a harmonia nas relações familiares.

O apóstolo Paulo exorta em Colossenses 3:13 dizendo: “Suportando-vos uns aos outros, perdoai-vos mutuamente, caso alguém tenha motivo de queixa contra outrem. Assim como o Senhor vos perdoou, assim também perdoai vós.” O perdão não é uma opção, mas uma responsabilidade cristã. Perdoar é seguir o exemplo de Cristo, que nos perdoou, apesar de nossas falhas.

A importância do perdão na família é evidente quando consideramos as inevitáveis ​​discórdias e desentendimentos que ocorrem em todos os lares. O perdão não apenas restaura a paz, mas também fortalece os laços familiares e permite o crescimento espiritual e emocional.

Em resumo, o amor e o perdão são princípios fundamentais nas relações familiares, de acordo com as Escrituras. O amor é o alicerce sobre o qual a família deve ser construída, refletindo o amor de Deus. O perdão é a cola que mantém a unidade e a harmonia na família, seguindo o exemplo de Cristo. Quando aplicados, esses princípios fortalecem os laços familiares e permitem que a família cumpra seu propósito divino.

O Impacto da Oração na Família: A Comunhão com Deus e Uns com os Outros

Quando exploramos a dinâmica familiar sob a ótica das Escrituras, a oração emerge como um elemento crucial. A Bíblia enfatiza a importância da oração como meio de fortalecer os laços familiares e promover a comunhão com Deus. Ao refletirmos sobre a afirmação de Mateus 19, compreendemos que a oração desempenha um papel vital na preservação dessa união divinamente estabelecida.

A oração é um ato de comunicação com Deus, e quando uma família ora junto, ela está fortalecendo sua ligação espiritual. A Bíblia nos encoraja a “orar sem cessar” (1 Tessalonicenses 5:17), o que significa que a oração deve ser uma parte constante da vida da família. Através da oração, a família pode compartilhar suas alegrias, preocupações e necessidades com Deus, buscando Sua orientação e proteção.

Jesus mesmo nos ensina a orar em família em Mateus 18:20: “Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” Essa promessa de Sua presença fortalece o laço espiritual da família e cria um ambiente de adoração e comunhão.

A oração também desempenha um papel fundamental na resolução de conflitos e na promoção do perdão dentro da família. Quando os membros da família se reúnem em oração, têm a oportunidade de expressar seus sentimentos, buscar reconciliação e pedir a ajuda de Deus para superar desafios. A oração cria um espaço para a humildade e a busca do perdão, seguindo o exemplo de Cristo.

Além disso, a oração em família é uma oportunidade de ensinar e modelar a fé aos filhos. Deuteronômio 6:6-7 nos instrui dizendo: “E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; E as ensinarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te.” A oração em família é uma maneira prática de cumprir essa responsabilidade, ensinando às crianças o poder da fé e da comunicação com Deus.

A oração também promove a gratidão e o reconhecimento das bênçãos de Deus na vida familiar. Filipenses 4:6-7 nos lembra “Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o coração e a mente de vocês em Cristo Jesus.” A oração de ação de graças fortalece o vínculo da família ao reconhecer as bênçãos e cultivar uma atitude de gratidão.

Em resumo, o impacto da oração na família é profundo e transformador. A oração promove a comunhão com Deus e uns com os outros, fortalece os laços espirituais, ajuda na resolução de conflitos, promove o perdão, ensina a fé aos filhos e cultiva a gratidão. É uma ferramenta poderosa para manter a unidade familiar e para enfrentar os desafios da vida com a orientação divina. Quando a família ora junto, ela coloca sua confiança no Deus que os uniu e os mantém unidos.

Conclusão

Ao examinarmos a família sob a perspectiva das Escrituras, não podemos deixar de destacar a relevância da comunidade cristã. A Bíblia nos ensina que a família não está isolada, mas é parte de um corpo maior – a igreja. Ao refletirmos sobre Mateus 19:6, “O que Deus ajuntou, não separe o homem”, compreendemos que a comunidade cristã desempenha um papel vital na preservação e no crescimento da família.

A comunidade cristã oferece apoio emocional e espiritual à família. Em momentos de alegria e luta, a igreja está presente para compartilhar essas experiências. Romanos 12:15 nos lembra “Alegrai-vos com os que se alegram; e chorai com os que choram”. Através da comunidade cristã, a família encontra conforto, encorajamento e orações em tempos de necessidade.

A comunidade cristã também é um ambiente onde a família pode crescer espiritualmente. Na igreja, os membros da família têm a oportunidade de adorar juntos, estudar as Escrituras, servir aos outros e crescer em sua fé. Hebreus 10:24-25 nos exorta dizendo: “E consideremos uns aos outros para nos incentivarmos ao amor e às boas obras. 25 Não deixemos de reunir-nos como igreja, segundo o costume de alguns, mas procuremos encorajar-nos uns aos outros, ainda mais quando vocês veem que se aproxima o Dia”

A comunidade cristã também desempenha um papel fundamental no ensino e apoio aos pais na criação de seus filhos. A igreja oferece programas de educação religiosa, escola dominical e grupos de jovens para ajudar os pais a transmitir os valores cristãos às gerações mais jovens. Provérbios 22:6 nos instrui: “Instrui o menino no caminho em que deve andar, e até quando envelhecer não se desviará dele.” A comunidade cristã apoia essa instrução.

Além disso, a comunidade cristã é um lugar onde a família pode encontrar mentores espirituais e conselheiros. Tanto os jovens casais como aqueles com mais experiência podem se beneficiar da sabedoria e orientação dos membros mais maduros da igreja. Tito 2:3-5 exorta as mulheres mais velhas a instruírem as mais jovens, e essa troca de experiência é valiosa para o crescimento da família.

A igreja também oferece oportunidades para a família servir e contribuir para o reino de Deus. O serviço comunitário e a missão podem ser atividades que unem a família e permitem que seus membros cresçam juntos no serviço ao próximo.

Em resumo, a importância da comunidade cristã na família é evidente nas Escrituras. A comunidade oferece apoio emocional e espiritual, promove o crescimento espiritual, ajuda na educação dos filhos, fornece mentores e oportunidades de serviço. A família não está sozinha na jornada da fé, mas é parte de um corpo maior que a apoia, encoraja e fortalece em seu compromisso com Deus. Quando a família se envolve na comunidade cristã, ela experimenta crescimento espiritual e fortalece a unidade que Deus instituiu.

Share this article

Written by : Ministério Veredas Do IDE

Leave A Comment

Follow us
Latest articles