O que é circuncisão na Bíblia: Um estudo bíblico sobre o significado e a prática da circuncisão

Published On: 27 de dezembro de 2023Categories: Estudo Bíblico

A circuncisão é um tema importante na Bíblia e tem sido praticada por muitos séculos. Neste estudo bíblico, vamos explorar o que é a circuncisão, como era feita entre os judeus e qual o seu significado no Antigo Testamento.

O que é circuncisão?

A circuncisão é um procedimento cirúrgico que envolve a remoção do prepúcio, a pele que cobre a glande do pênis. Essa prática é realizada em diferentes culturas e religiões, mas na Bíblia, a circuncisão tem um significado especial para o povo judeu.

A circuncisão é considerada um sinal da aliança entre Deus e o povo de Israel. Ela foi instituída por Deus como um mandamento para Abraão e seus descendentes, como um sinal da promessa de Deus de abençoá-los e fazer deles uma grande nação.

“De sua parte”, disse Deus a Abraão, “guarde a minha aliança, tanto você como os seus futuros descendentes.

Esta é a minha aliança com você e com os seus descendentes, aliança que terá que ser guardada: Todos os do sexo masculino entre vocês serão circuncidados na carne.

Terão que fazer essa marca, que será o sinal da aliança entre mim e vocês.

Da sua geração em diante, todo menino de oito dias de idade entre vocês terá que ser circuncidado, tanto os nascidos em sua casa quanto os que forem comprados de estrangeiros e que não forem descendentes de vocês.

Sejam nascidos em sua casa, sejam comprados, terão que ser circuncidados. Minha aliança, marcada no corpo de vocês, será uma aliança perpétua.

Qualquer do sexo masculino que for incircunciso, que não tiver sido circuncidado, será eliminado do meio do seu povo; quebrou a minha aliança”.

Gênesis 17:9-14

Além disso, a circuncisão também era um símbolo de purificação e separação do mundo pagão. Ao se submeterem à circuncisão, os judeus mostravam seu compromisso de seguir a lei de Deus e ser um povo separado para Ele.

Como era feita a circuncisão entre os judeus?

A circuncisão era realizada em bebês do sexo masculino no oitavo dia de vida. O procedimento era feito por um mohel, uma pessoa treinada para realizar a circuncisão de acordo com a tradição judaica.

Um mohel era um profissional altamente respeitado na tradição judaica, especializado na prática da circuncisão ritual. Este perito habilidoso desempenhava um papel crucial na comunidade, sendo designado para realizar a circuncisão em bebês do sexo masculino de acordo com as tradições religiosas judaicas. Além de suas habilidades cirúrgicas, um mohel também carregava a responsabilidade de preservar a integridade espiritual do ritual, garantindo que a cerimônia fosse realizada com reverência e respeito pelos preceitos estabelecidos na aliança entre Deus e o povo de Israel.

O mohel usava uma faca especial para fazer o corte no prepúcio, removendo-o completamente. Após a circuncisão, o bebê era considerado parte do povo judeu e recebia um nome hebraico.

A circuncisão era um evento importante na vida de um judeu, celebrado com uma cerimônia especial, conhecida como brit milá. Nessa cerimônia, a criança era apresentada à comunidade e recebia bênçãos dos pais e dos convidados.

Circuncisão no Antigo Testamento

A circuncisão é mencionada várias vezes no Antigo Testamento como um sinal da aliança entre Deus e o povo de Israel. Em Gênesis 17:10-14, Deus estabelece a circuncisão como um sinal da aliança eterna com Abraão e seus descendentes.

Deus disse a Abraão: “Este é o meu pacto, que guardareis entre mim e vós e a tua descendência: Que todo macho entre vós será circuncidado” (Gênesis 17:10). Essa aliança foi renovada com Moisés e com os israelitas no deserto.

A circuncisão no Antigo Testamento era um sinal visível da identidade do povo judeu e do seu relacionamento com Deus. Era um lembrete constante de que eles eram um povo separado e que tinham uma responsabilidade especial diante de Deus.

Embora a circuncisão fosse um mandamento importante na lei de Moisés, o Novo Testamento nos ensina que a circuncisão física não é mais necessária para os cristãos. Em vez disso, o foco é na circuncisão do coração, ou seja, na transformação interior e no compromisso com Deus.

Circuncisão no Novo Testamento

A circuncisão no Novo Testamento é frequentemente abordada no contexto da mudança trazida pela mensagem de Jesus Cristo. Em várias passagens, como em Gálatas 5:6, Paulo destaca a importância da fé operando pelo amor, em contraste com a prática da circuncisão como meio de justificação. Ele argumenta que, em Cristo, o que importa é uma nova criação, e não a circuncisão ou incircuncisão. Essa perspectiva ressalta a transformação espiritual e a aceitação pela fé em Jesus, em vez de confiar em práticas rituais antigas.

Porque em Jesus Cristo nem a circuncisão nem a incircuncisão tem valor algum; mas sim a fé que opera pelo amor. 

Gálatas 5:6

A circuncisão é abordada de maneira mais simbólica em Colossenses 2:11-12, onde Paulo descreve os crentes como sendo circuncidados “com a circuncisão feita sem mãos”. Aqui, a ênfase está na experiência espiritual interior, indicando que, em Cristo, os crentes experimentam uma purificação interna que vai além da prática física da circuncisão. É uma mudança do coração, realizada por Deus, que transcende as tradições externas.

Em Romanos 2:29, Paulo expande ainda mais esse conceito ao falar da verdadeira circuncisão do coração, realizada pelo Espírito, e não pela letra da lei. Ele destaca que ser um verdadeiro judeu não é apenas uma questão externa, mas envolve uma transformação interna, um relacionamento com Deus que vai além das práticas cerimoniais. Assim, a circuncisão no Novo Testamento é reinterpretada como um símbolo espiritual de compromisso e fé interior em Deus.

Em última análise, o Novo Testamento oferece uma visão da circuncisão que vai além do aspecto físico e cerimonial, enfatizando a importância da fé, transformação interior e relacionamento pessoal com Deus por meio da obra de Jesus Cristo.

Conclusão

A circuncisão é um tema significativo na Bíblia, representando a aliança entre Deus e o povo judeu. Ela era realizada como um sinal de identidade, purificação e compromisso com Deus. Embora a circuncisão física não seja mais obrigatória para os cristãos, o princípio por trás dela “a circuncisão do coração” continua relevante. Devemos buscar uma transformação interior e um compromisso sincero com Deus.

Que possamos compreender o significado mais profundo da circuncisão e aplicar seus princípios em nossa vida espiritual, buscando uma relação íntima com Deus e um compromisso genuíno com Ele.

Que a circuncisão do coração seja uma realidade em nossas vidas, para que possamos viver de acordo com os propósitos de Deus e experimentar a plenitude de Sua graça e amor.

Share this article

Written by : Ministério Veredas Do IDE

Leave A Comment

Follow us
Latest articles