2 Coríntios 11 A Glória em Nossas Fraquezas

Published On: 23 de abril de 2023Categories: Estudo Bíblico

O livro de 2 Coríntios foi escrito pelo apóstolo Paulo para a igreja de Corinto, que estava enfrentando muitos desafios. Nesta carta, Paulo aborda uma série de questões, incluindo a autoridade apostólica, a reconciliação, a generosidade e a fidelidade. No capítulo 11, Paulo fala sobre sua própria experiência como apóstolo e os sofrimentos que ele enfrentou em nome de Cristo. Neste estudo bíblico, vamos explorar as principais mensagens do capítulo 11 de 2 Coríntios e como elas se aplicam às nossas vidas.

Versículos 1-6: Falsos Apóstolos

No início do capítulo 11, Paulo começa falando sobre falsos apóstolos que estavam enganando a igreja em Corinto. Ele os chama de “superapóstolos” e os acusa de pregar um evangelho falso e enganoso. Paulo diz que ele próprio é um verdadeiro apóstolo e que sua mensagem é a verdadeira mensagem de Cristo. Ele está preocupado de que os coríntios estejam sendo levados a acreditar em uma mensagem diferente da que ele pregou para eles.

“Espero que vocês suportem um pouco da minha insensatez. Sim, por favor, sejam pacientes comigo. O zelo que tenho por vocês é um zelo que vem de Deus. Eu os prometi a um único marido, Cristo, querendo apresentá-los a ele como uma virgem pura. O que receio, e quero evitar, é que assim como a serpente enganou Eva com astúcia, a mente de vocês seja corrompida e se desvie da sua sincera e pura devoção a Cristo. Pois, se alguém lhes vem pregando um Jesus que não é aquele que pregamos, ou se vocês acolhem um espírito diferente do que acolheram ou um evangelho diferente do que aceitaram, vocês o suportam facilmente. Todavia, não me julgo nem um pouco inferior a esses “super-apóstolos”. Eu posso não ser um orador eloqüente; contudo tenho conhecimento. De fato, já manifestamos isso a vocês em todo tipo de situação.”( 2 Coríntios 11:1-6)

Paulo está preocupado que os coríntios estejam sendo enganados por falsos apóstolos que estão pregando uma mensagem diferente da que ele pregou. Ele diz que esses falsos apóstolos estão enganando os coríntios com sua astúcia, assim como a serpente enganou Eva no Jardim do Éden. Paulo pede aos coríntios que sejam cuidadosos e que não se desviem da verdadeira mensagem de Cristo.

Versículos 7-15: O Verdadeiro Apóstolo

Em seguida, Paulo fala sobre sua própria autoridade como apóstolo e sua preocupação com os coríntios. Ele diz que ele mesmo não recebeu dinheiro da igreja em Corinto, ao contrário dos falsos apóstolos que estavam lá. Ele também destaca suas próprias fraquezas e sofrimentos, enfatizando que é a glória de Deus que deve ser vista em suas fraquezas, não sua própria força.

“Será que cometi algum pecado ao humilhar-me a fim de elevá-los, pregando-lhes gratuitamente o evangelho de Deus? Despojei outras igrejas, recebendo delas sustento, a fim de servi-los. Quando estive entre vocês e passei por alguma necessidade, não fui um peso para ninguém; pois os irmãos, quando vieram da Macedônia, supriram aquilo de que eu necessitava. Fiz tudo para não ser pesado a vocês, e continuarei a agir assim. Tão certo como a verdade de Cristo está em mim, ninguém na região da Acaia poderá privar-me deste orgulho. Por quê? Por que não os amo? Deus sabe que os amo! E continuarei fazendo o que faço, a fim de não dar oportunidade àqueles que desejam encontrar ocasião de serem considerados iguais a nós nas coisas de que se orgulham. Pois tais homens são falsos apóstolos, obreiros enganosos, fingindo-se apóstolos de Cristo. Isto não é de admirar, pois o próprio Satanás se disfarça de anjo de luz. Portanto, não é surpresa que os seus servos finjam que são servos da justiça. O fim deles será o que as suas ações merecem.” (2 Coríntios 11:7-15)

Paulo defende sua própria autoridade como apóstolo, enfatizando que não recebeu dinheiro da igreja em Corinto, ao contrário dos falsos apóstolos. Ele destaca a ajuda que recebeu dos irmãos da Macedônia e afirma que não quer ser um fardo para os coríntios. Ele também afirma que continuará a fazer o que é certo e a cortar ocasião para que os falsos apóstolos não tenham espaço para se gloriar.

Paulo também adverte os coríntios sobre os falsos apóstolos, dizendo que eles são obreiros fraudulentos que se disfarçam em apóstolos de Cristo. Ele adverte que Satanás também se disfarça em anjo de luz e que não é surpreendente que seus ministros se disfarcem em ministros da justiça. Ele enfatiza que o fim desses falsos ministros será de acordo com suas obras.

Versículos 16-21: A Loucura de Paulo por Cristo

Em seguida, Paulo fala sobre sua própria loucura por Cristo. Ele diz que está louco, mas que é por causa de sua dedicação a Cristo. Ele compara sua loucura com a de um noivo que se preocupa intensamente com sua noiva. Ele diz que sua loucura é uma prova de sua dedicação a Cristo e à igreja.

“Faço questão de repetir: ninguém me considere insensato. Mas se vocês assim me consideram, recebam-me como receberiam um insensato, a fim de que eu me orgulhe um pouco. Ao ostentar este orgulho, não estou falando segundo o Senhor, mas como insensato. Visto que muitos estão se vangloriando de modo bem humano, eu também me orgulharei. Vocês, por serem tão sábios, suportam de boa vontade os insensatos! De fato, vocês suportam até quem os escraviza ou os explora, ou quem se exalta ou lhes fere a face. Para minha vergonha, admito que fomos fracos demais para isso! Naquilo em que todos os outros se atrevem a gloriar-se — falo como insensato — eu também me atrevo.” (2 Coríntios 11:16-21)

Paulo está defendendo sua autoridade e seu ministério, mas reconhece que pode parecer insensato para alguns. Ele compara sua loucura com a de outros que se gloriam segundo a carne, e diz que suporta muitas coisas em nome de Cristo. Ele diz que é vergonhoso que não tenham sido suficientemente fortes para suportar mais, mas que, mesmo assim, ousam em tudo o que dizem.

Versículos 22-33: As Provas do Ministério de Paulo

Aqui, Paulo começa a falar sobre as provas de seu ministério. Ele diz que é um hebreu, nascido em berço hebraico, que foi circuncidado no oitavo dia. Ele diz que é um fariseu, criado com a mais estrita observância da lei. Ele diz que era perseguidor da igreja antes de sua conversão, e que se esforçava mais do que qualquer um para obedecer a lei.

“São eles hebreus? Eu também. São israelitas? Eu também. São descendentes de Abraão? Eu também. São eles servos de Cristo? — estou fora de mim para falar desta forma — eu ainda mais: trabalhei muito mais, fui encarcerado mais vezes, fui açoitado mais severamente e exposto à morte repetidas vezes. Cinco vezes recebi dos judeus trinta e nove açoites. Três vezes fui golpeado com varas, uma vez apedrejado, três vezes sofri naufrágio, passei uma noite e um dia exposto à fúria do mar. Estive continuamente viajando de uma parte a outra, enfrentei perigos nos rios, perigos de assaltantes, perigos dos meus compatriotas, perigos dos gentios; perigos na cidade, perigos no deserto, perigos no mar, e perigos dos falsos irmãos. Trabalhei arduamente; muitas vezes fiquei sem dormir, passei fome e sede, e muitas vezes fiquei em jejum; suportei frio e nudez. Além disso, enfrento diariamente uma pressão interior, a saber, a minha preocupação com todas as igrejas.” (2 Coríntios 11:22-28)

Paulo lista as provas de seu ministério, incluindo os trabalhos, prisões, açoites e perigos que enfrentou por amor a Cristo. Ele destaca as vezes em que foi açoitado, apedrejado, sofreu naufrágio e enfrentou perigos em suas viagens. Ele também menciona o cuidado que tem por todas as igrejas, o que o pesa diariamente.

Versículos 30-33: A Fraqueza de Paulo é a Força de Deus

Por fim, Paulo enfatiza que sua fraqueza é a força de Deus. Ele diz que, se deve se gloriar, que se glorie em suas fraquezas. Ele diz que, se tiver que se orgulhar, que se orgulhe das coisas que mostram sua fraqueza. Ele diz que, se tiver que mostrar sua fraqueza, que mostre-a, para que a força de Cristo repouse sobre ele.

“Se devo me orgulhar, que seja nas coisas que mostram a minha fraqueza. O Deus e Pai do Senhor Jesus, que é bendito para sempre, sabe que não estou mentindo. Em Damasco, o governador nomeado pelo rei Aretas mandou que se vigiasse a cidade para me prender. Mas de uma janela na muralha fui baixado numa cesta e escapei das mãos dele.” (2 Coríntios 11:30-33)

Paulo fala sobre sua fuga de Damasco, onde o governador da cidade o perseguia para prendê-lo. Ele enfatiza que é a fraqueza dele que mostra a força de Deus em sua vida. Paulo entende que sua força vem de Deus, e que é por meio da sua fraqueza que Deus é glorificado.

Conclusão: A Importância da Verdadeira Sabedoria

2 Coríntios 11 é um lembrete importante de que o ministério cristão não é fácil. Paulo enfatiza as dificuldades que enfrentou em seu ministério, incluindo as tentativas de outros líderes de desacreditá-lo. Ele também enfatiza a importância da verdadeira sabedoria, que não se baseia na sabedoria deste mundo, mas na sabedoria de Deus.

Paulo defende sua autoridade apostólica, enfatizando sua conexão com Cristo e a mensagem do evangelho. Ele destaca as provas de seu ministério, incluindo os sofrimentos e perigos que enfrentou. No final, Paulo enfatiza que é a fraqueza dele que mostra a força de Deus em sua vida.

Aprendemos com este capítulo que a verdadeira sabedoria não é encontrada na sabedoria deste mundo, mas na sabedoria de Deus. Devemos estar sempre alertas para os falsos ensinamentos que podem desviar-nos da verdadeira sabedoria. Também aprendemos que a fraqueza pode ser um sinal de força, quando confiamos em Deus e permitimos que Ele nos fortaleça em nossa fraqueza.

2 Coríntios 11 também é um chamado para todos os cristãos a permanecerem fiéis ao evangelho, independentemente das dificuldades e perseguições que possam enfrentar. Devemos lembrar que, como Paulo, somos chamados para proclamar a verdade do evangelho de Cristo, mesmo que isso signifique enfrentar oposição e sofrimento. A verdadeira sabedoria vem de Deus e devemos confiar nele em todos os momentos, sabendo que Ele nos fortalecerá em nossa fraqueza.

Share this article

Written by : Ministério Veredas Do IDE

Leave A Comment

Follow us
Latest articles