Mateus 5 – Quais são as Bem-aventuranças?

Published On: 20 de setembro de 2023Categories: Estudo Bíblico

Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o Reino dos Céus. (Mateus 5:3)

No início do Sermão da Montanha, Jesus proclama: “Bem-aventurados os pobres de espírito, pois deles é o Reino dos Céus” (Mateus 5:3). Essa bem-aventurança nos ensina que a verdadeira humildade diante de Deus é uma virtude altamente valorizada no Reino dos Céus. Ser “pobre de espírito” implica reconhecer nossa completa dependência de Deus, nossa incapacidade de conquistar a salvação por nossos próprios méritos. É, de fato, a humildade que abre as portas do Reino dos Céus para nós.

O salmista Davi, em Salmo 51:17, expressa essa atitude de coração quando clama: “Sacrifícios agradáveis a Deus são o espírito quebrantado; coração compungido e contrito, não o desprezarás, ó Deus.” Essas palavras reforçam a ideia de que Deus valoriza a contrição e a humildade espiritual. Ser “pobre de espírito” não significa ser desprovido de autoestima ou autovalorização, mas sim reconhecer nossa necessidade desesperada de Deus, nosso estado de dependência total Dele.

Uma passagem correlata que ilustra a importância da humildade é Tiago 4:6: “Mas ele dá maior graça. Portanto, diz: Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes.” Aqui, vemos a promessa divina de que a humildade é a chave para acessar a abundante graça de Deus. É quando reconhecemos nossa carência espiritual, nossa insuficiência, que Deus estende Sua mão de graça para nos elevar. Portanto, ser “pobre de espírito” não apenas nos coloca no caminho para o Reino dos Céus, mas também nos conecta com a graça infinita de Deus, tornando-nos receptores da Sua benevolência divina.

A profundidade dessa bem-aventurança vai além de meras palavras; ela nos desafia a repensar nossa abordagem diante de Deus. É um convite para despir-nos de qualquer orgulho espiritual, qualquer confiança em nossos próprios méritos, e nos lançarmos completamente sobre a misericórdia e a graça de Deus. Em um mundo que frequentemente valoriza a autoconfiança e a independência, essa bem-aventurança nos recorda que nossa verdadeira riqueza espiritual é encontrada na humildade, na consciência de nossa necessidade constante de Deus e na confiança de que Ele é nosso único sustentador.

A bem-aventurança dos “pobres de espírito” é uma chamada à transformação interior, uma revolução do coração que nos permite experimentar o Reino dos Céus aqui e agora, à medida que nos rendemos à soberania e ao amor incondicional de Deus. É uma humildade que nos eleva, uma dependência que nos liberta, e é, verdadeiramente, um tesouro espiritual inigualável. Que possamos, com sinceridade, abraçar essa humildade e, assim, herdar o Reino dos Céus e toda a plenitude que ele oferece.

Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados. (Mateus 5:4)

A segunda bem-aventurança proclama: “Bem-aventurados os que choram, pois serão consolados” (Mateus 5:4). Essa bem-aventurança nos leva a refletir sobre a importância da compaixão e do arrependimento. Chorar não é apenas uma expressão de tristeza, mas também de profundo pesar pelos nossos pecados e pelos males do mundo. À medida que choramos por nossos pecados e pela dor da humanidade, encontramos consolo na graça e no perdão de Deus.

O salmista Davi, em diversos Salmos, nos mostra o poderoso exemplo de alguém que chorou profundamente por seus pecados, como no Salmo 51, um salmo de arrependimento. Davi compreendeu a gravidade de suas transgressões e derramou lágrimas sinceras diante de Deus. Essa atitude de quebrantamento e contrição é o primeiro passo para encontrar consolo divino.

Ao longo das Escrituras, Deus revela Sua natureza compassiva e misericordiosa. Em Isaías 53:3-4, profetizando sobre o Messias, lemos: “Homem de dores e experimentado nos sofrimentos; e, como um de quem os homens escondem o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum. Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si.” Aqui, vemos como Jesus, o Messias, se identifica com o sofrimento humano e se torna a fonte suprema de consolo.

Essa bem-aventurança nos recorda que não estamos sozinhos em nossas tristezas e aflições. Deus, em Sua infinita compaixão, está conosco em cada lágrima derramada. Ele não apenas oferece consolo para nossas dores, mas também promete a cura e a restauração das feridas do coração. Chorar pelos nossos pecados nos leva a buscar o perdão e a transformação interior, enquanto chorar pelas aflições do mundo nos motiva a agir em amor e compaixão para aliviar o sofrimento alheio.

Portanto, a bem-aventurança dos que choram é uma chamada à empatia e à contrição. É um convite para reconhecermos a realidade do pecado em nossas vidas e no mundo ao nosso redor, e ao mesmo tempo, confiarmos no consolo divino que nos é oferecido. Encontramos conforto não apenas na promessa de perdão, mas também na certeza de que Deus está presente em nossas tristezas, guiando-nos para um relacionamento mais profundo com Ele e capacitando-nos a ser instrumentos de Sua graça e amor no mundo. Que possamos, portanto, abraçar a bem-aventurança dos que choram como uma oportunidade de crescimento espiritual e de compartilhar a compaixão de Deus com aqueles que sofrem.

Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra. (Mateus 5:5)

A terceira bem-aventurança proclama: “Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra” (Mateus 5:5). A mansidão aqui não é fraqueza, mas sim uma disposição de submissão à vontade de Deus, independentemente das circunstâncias. Os mansos confiam que Deus é o Soberano que governa sobre todas as coisas e, portanto, encontram descanso e contentamento em Sua vontade.

Jesus, nosso modelo de mansidão, afirmou em Mateus 11:29: “Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma.” Essas palavras de Jesus revelam que a mansidão não é passividade, mas sim uma atitude de coração que reconhece a autoridade de Deus sobre nossas vidas. Quando nos submetemos à vontade divina, encontramos descanso e paz para nossas almas.

Em Salmos 37:11, encontramos um eco da promessa da bem-aventurança: “Mas os mansos herdarão a terra e desfrutarão plena paz.” Isso enfatiza que a mansidão resulta em uma herança eterna e na paz que excede todo entendimento. Os mansos não lutam para impor sua vontade, mas confiam que Deus é o doador de todas as coisas boas e que Sua promessa de herança não falhará.

Ser manso não significa ausência de força, mas sim o exercício da força sob controle divino. É a capacidade de suportar provações e adversidades com serenidade, sabendo que Deus está no controle e que tudo contribui para o bem daqueles que O amam (Romanos 8:28). A mansidão nos capacita a enfrentar as dificuldades da vida com fé e confiança.

Portanto, a bem-aventurança dos mansos nos desafia a abandonar a arrogância, o orgulho e a autossuficiência, abraçando a humildade e a submissão à vontade de Deus. Ela nos ensina a confiar que Deus é o nosso provedor e defensor, e que, ao nos submetermos à Sua vontade, encontramos uma herança eterna e uma paz que transcende as circunstâncias. Que possamos, portanto, buscar a mansidão em nossa jornada espiritual, confiando em Deus em todas as situações e encontrando contentamento na Sua soberania.

Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos. (Mateus 5:6)

A quarta bem-aventurança proclama: “Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, pois serão fartos” (Mateus 5:6). Essa bem-aventurança nos incentiva a buscar ativamente a justiça de Deus, a viver de acordo com Seus princípios e a lutar pela justiça em nosso mundo.

Jesus, em Sua vida terrena, foi um exemplo vivo dessa busca pela justiça. Ele confrontou a injustiça, proclamou os princípios do Reino de Deus e mostrou compaixão pelos marginalizados. Em Mateus 23:23, Ele repreendeu os líderes religiosos da época, dizendo: “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho e tendes negligenciado os preceitos mais importantes da Lei: a justiça, a misericórdia e a fé.”

Isaías 1:17 nos insta a “aprendei a fazer o bem; procurai o que é justo; ajudai o oprimido; fazei justiça ao órfão; tratai da causa das viúvas.” Essa passagem do Antigo Testamento reforça a importância da justiça como parte integrante da vontade de Deus. A busca pela justiça não é apenas uma ação exterior, mas uma atitude de coração que reflete o caráter de Deus.

A fome e a sede de justiça mencionadas nessa bem-aventurança não são uma busca superficial, mas um anseio profundo e constante pela retidão divina. É um desejo ardente de ver os valores do Reino de Deus estabelecidos na sociedade e na vida pessoal. Os que têm essa fome e sede são impulsionados a agir em conformidade com a justiça, a defender os oprimidos e a buscar o bem comum.

Essa bem-aventurança também promete que os que buscam a justiça serão fartos. Isso significa que Deus satisfará essa busca com Sua própria justiça e retidão. Mateus 6:33 nos lembra: “Mas buscai primeiro o Reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.” Quando priorizamos a busca pela justiça de Deus, Ele cuida das nossas necessidades.

Portanto, a bem-aventurança dos que têm fome e sede de justiça nos desafia a não sermos indiferentes às questões de justiça, mas a nos empenharmos ativamente em viver de acordo com os princípios de Deus e a promover a justiça onde quer que estejamos. Ela nos lembra que a justiça não é apenas uma ideia abstrata, mas uma expressão tangível do amor e da vontade de Deus em nossas vidas e no mundo. Que possamos, portanto, continuar a buscar a justiça de Deus com zelo e paixão, confiando que seremos saciados com Sua retidão e paz.

Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia. (Mateus 5:7)

A quinta bem-aventurança proclama: “Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia” (Mateus 5:7). Essa bem-aventurança nos chama a demonstrar compaixão e perdão para com os outros, assim como Deus tem misericórdia de nós.

O exemplo mais sublime de misericórdia é a obra redentora de Jesus na cruz. Em Romanos 5:8, lemos: “Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores.” Essa é a essência da misericórdia divina, onde Deus, em Sua graça infinita, ofereceu perdão e reconciliação a nós, apesar de nossos pecados.

Em Lucas 6:36, Jesus nos exorta a sermos misericordiosos como nosso Pai celestial é misericordioso. Isso significa que devemos seguir o exemplo de Deus, estendendo graça e compaixão aos outros, mesmo quando eles não a merecem. A misericórdia não é baseada em méritos, mas é um ato de amor altruísta.

A bem-aventurança dos misericordiosos nos recorda que a misericórdia é uma via de mão dupla. Quando mostramos misericórdia aos outros, estamos cumprindo o mandamento de Jesus e, em troca, recebemos a promessa de alcançar misericórdia divina. Mateus 6:14 nos alerta: “Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós.” A misericórdia é um elo profundo entre nossa atitude para com os outros e a resposta de Deus em nossas vidas.

Ser misericordioso não significa ignorar o pecado, mas perdoar e buscar a restauração daqueles que erraram. É um ato de compaixão que busca a cura e a reconciliação. Ao demonstrar misericórdia, refletimos o amor de Deus e ajudamos a construir relacionamentos saudáveis e uma sociedade mais compassiva.

Portanto, a bem-aventurança dos misericordiosos nos desafia a incorporar a misericórdia em nossas vidas diárias, a perdoar como fomos perdoados e a estender compaixão aos necessitados. Ela nos lembra que a misericórdia é uma parte vital do caminho cristão e que, ao mostrar misericórdia aos outros, experimentamos a riqueza da misericórdia de Deus em nossas próprias vidas. Que possamos ser canais da misericórdia divina neste mundo, refletindo o amor de Deus em todas as nossas interações e ajudando a construir um lugar mais acolhedor e cheio de graça para todos.

Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus. (Mateus 5:8)

A sexta bem-aventurança nos diz: “Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus” (Mateus 5:8). Essa bem-aventurança enfatiza a importância da pureza interior, da sinceridade e da ausência de intenções maliciosas. Aqueles que mantêm seus corações puros buscam a presença e a comunhão com Deus.

Em Salmo 24:3-4, lemos: “Quem subirá ao monte do Senhor, ou quem estará no seu lugar santo? Aquele que é limpo de mãos e puro de coração.” Essas palavras do Salmo 24 ressaltam a necessidade de uma pureza de coração para nos aproximarmos de Deus e estabelecer comunhão com Ele. A pureza não se limita à aparência externa, mas é uma condição do coração que reflete uma busca constante pela santidade.

A pureza de coração implica em viver com sinceridade e integridade, sem hipocrisia. Jesus repreendeu os líderes religiosos de Seu tempo por sua falta de pureza de coração e atitudes hipócritas. Em Mateus 23:27-28, Ele diz: “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois sois semelhantes aos sepulcros caiados, que por fora realmente parecem formosos, mas por dentro estão cheios de ossos de mortos e de toda imundícia. Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas por dentro estais cheios de hipocrisia e de iniquidade.”

A busca pela pureza de coração não é um esforço vazio para parecer piedoso, mas um desejo sincero de viver uma vida que agrada a Deus. É uma aspiração por uma consciência limpa, livre de enganos e motivos egoístas. Os puros de coração não buscam apenas evitar o pecado exterior, mas também purificar seus pensamentos e intenções.

A promessa contida nessa bem-aventurança é profunda: “verão a Deus”. A pureza de coração nos permite experimentar uma comunhão íntima com Deus, nos aproximando Dele em adoração e oração. Em 1 João 3:2, lemos: “Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é o veremos.” Os puros de coração têm a promessa de ver a Deus não apenas na eternidade, mas também em momentos de adoração e comunhão espiritual profunda.

Portanto, a bem-aventurança dos puros de coração nos desafia a buscar a pureza interior, a sinceridade e a integridade em nossas vidas diárias. Ela nos lembra que a pureza não é apenas uma questão de comportamento externo, mas de uma transformação interior que nos aproxima de Deus. Que possamos buscar constantemente a pureza de coração, purificando nossos pensamentos e intenções, para que possamos desfrutar da preciosa comunhão com Deus e viver de acordo com Sua vontade.

Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus. (Mateus 5:9)

A sétima bem-aventurança proclama: “Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus” (Mateus 5:9). Esta bem-aventurança nos chama a ser agentes de paz e reconciliação em um mundo marcado por conflitos e divisões. Os pacificadores não apenas evitam a discórdia, mas também trabalham ativamente para promover a unidade e a harmonia.

Em Romanos 12:18, Paulo nos exorta a “se possível, quanto depender de vós, tende paz com todos os homens”. Isso destaca a responsabilidade que temos de buscar a paz em nossos relacionamentos e comunidades. Os pacificadores não se limitam a evitar conflitos, mas buscam ativamente construir pontes de compreensão e reconciliação.

Jesus, como o Príncipe da Paz, é o exemplo máximo de um pacificador. Ele trouxe reconciliação entre Deus e o homem através de Seu sacrifício na cruz. Em Efésios 2:14, Paulo escreve sobre Jesus, dizendo: “Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos fez um; e, tendo derribado a parede da separação que estava no meio.” Jesus removeu a barreira da separação e nos trouxe paz com Deus.

A bem-aventurança dos pacificadores também nos lembra que somos chamados a ser filhos de Deus. Quando promovemos a paz e a reconciliação, refletimos o caráter de nosso Pai celestial. Em Tiago 3:18, lemos: “Ora, o fruto da justiça semeia-se na paz, para os que exercitam a paz.” Os pacificadores não apenas recebem a paz de Deus, mas também semeiam a paz por onde passam.

Além disso, ser chamado de “filhos de Deus” implica em compartilhar da natureza divina, incluindo a disposição para promover a paz e a justiça. Como filhos de Deus, somos chamados a seguir o exemplo de Jesus e a buscar ativamente a paz, mesmo em situações desafiadoras.

Portanto, a bem-aventurança dos pacificadores nos desafia a não apenas evitar conflitos, mas a ser construtores da paz. Ela nos lembra que a paz não é apenas a ausência de guerra, mas a presença da justiça e da reconciliação. Que possamos ser agentes da paz em nossos lares, comunidades e no mundo, refletindo a imagem de nosso Pai celestial como pacificadores comprometidos com a unidade e a harmonia.

Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus. (Mateus 5:10)

A oitava e última bem-aventurança proclama: “Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, pois deles é o Reino dos Céus” (Mateus 5:10). Esta bem-aventurança nos lembra que, às vezes, seguir a justiça e os princípios de Deus pode nos levar à perseguição e à adversidade. No entanto, essa perseguição não é em vão, pois ela nos conecta de forma mais profunda com o Reino de Deus.

Em 2 Timóteo 3:12, Paulo nos adverte que “todos os que desejam viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos”. Isso destaca que a perseguição não é uma exceção, mas uma expectativa para os seguidores de Cristo. Aqueles que se comprometem com a justiça divina muitas vezes enfrentarão resistência e hostilidade do mundo.

A bem-aventurança dos perseguidos por causa da justiça nos lembra que a fidelidade a Deus e aos Seus princípios é mais importante do que a aprovação dos homens. Jesus mesmo enfrentou intensa perseguição por pregar a verdade e viver em justiça. Em João 15:20, Ele disse aos Seus discípulos: “Lembrai-vos da palavra que vos disse: Não é o servo maior do que o seu senhor. Se me perseguiram a mim, também perseguirão a vós outros.”

A promessa contida nessa bem-aventurança é preciosa: “deles é o Reino dos Céus”. Isso significa que os que são perseguidos por causa da justiça não apenas herdarão o Reino de Deus, mas já têm parte nesse Reino aqui e agora. A perseguição não afasta os filhos de Deus do Seu Reino, mas, na verdade, os conecta de forma mais profunda com a Sua graça e poder.

Ser perseguido por causa da justiça não é uma situação fácil, mas é uma demonstração de coragem e fidelidade. Os que enfrentam perseguição por amor a Deus e à justiça são chamados de bem-aventurados porque estão dispostos a pagar o preço pela sua fé e convicções. Eles são exemplos vivos de compromisso com Deus e Sua vontade.

Portanto, a bem-aventurança dos perseguidos por causa da justiça nos desafia a manter nossa fidelidade a Deus, mesmo diante da oposição e da perseguição. Ela nos lembra que a verdadeira recompensa é pertencer ao Reino de Deus, e que a perseguição não pode separar-nos do Seu amor e propósito. Que possamos encontrar coragem na promessa divina e continuar a buscar a justiça, independentemente das dificuldades que possam surgir, confiando que deles é o Reino dos Céus.

Share this article

Written by : Ministério Veredas Do IDE

Leave A Comment

Follow us
Latest articles